Workshop de Internacionalização ABF e Apex-Brasil prepara marcas para missão a Portugal

Internacionalização
Marcos Vale e Leonardo Machado (Apex-Brasil) apresentam o projeto Franchising Brasil aos participantes do Workshop

Redes de franquias associadas, integrantes do projeto Franchising Brasil, participaram nessa terça-feira (1º/10) do Workshop de Internacionalização promovido pela ABF em conjunto com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos). O evento realizado na sede da entidade foi preparatório para a próxima missão internacional que será realizada no âmbito do projeto, para Portugal, de 11 a 15 de novembro.

De acordo com Leonardo Machado, coordenador de internacionalização da Apex-Brasil, buscar a expansão no exterior por meio do Franchising Brasil ajuda a empresa a acelerar o processo, a refletir sobre o negócio, reduz os riscos de implantação da operação, os custos envolvidos são detalhados e as equipes são estimuladas a interagir no processo.

Internacionalizar também traz outros benefícios para as franquias. Segundo Marcos Vale, analista de negócios internacionais da Apex-Brasil, entre eles estão o acesso a mercados, recursos, ativos estratégicos e promoção de ganhos de eficiência.

O workshop contou com representantes de diversas marcas (veja a lista completa abaixo). Durante o evento, por meio de um exercício, os participantes foram levados a refletir sobre quais as razões para expandir internacionalmente ou para Portugal, cuja população é de cerca de 10 milhões de habitantes.

“A palavra principal da internacionalização é foco”, ressaltou Vale. Segundo o especialista, as empresas precisam ter uma curva de maturidade, que pode ser acelerada, mas não menosprezada. Além disso, é preciso ter humildade para reconhecer que se sabe nada ou quase nada a respeito do país ou mercado almejado. Ainda de acordo com o analista, existem dois tipos principais de empresas, aquelas que têm pouquíssima aversão ao risco e outras totalmente avessas a ele.

Entre as estratégias para se internacionalizar, Vale destacou algumas questões cruciais que o empresário deve responder antes de ultrapassar fronteiras: quais as razões para internacionalizar? Sua estratégia é competitiva? Como pretende competir no exterior? Quais são os resultados esperados da internacionalização? Por que este é o país-alvo? Quais são as oportunidades no mercado? E numa missão internacional, é necessário também, segundo ele, ter clareza das próprias necessidades. “Você precisa ir para a missão sabendo o que vocês precisam saber”, disse.

Internacionalização
Afonso Antunes (Market Access): oportunidades para franquias brasileiras em Portugal. É preciso “europalizar sem deixar de tropicalizar”

Oportunidades
Português de Braga, norte do país, Afonso Antunes, sócio-gerente da Market Access, falou a respeito do panorama socioeconômico e das oportunidades de negócios em Portugal na atualidade.

Antunes ressaltou que há um conjunto de incentivos ao investimento estrangeiro no país ibérico. Entre eles, o Golden Visa, uma Autorização de Residência para Investidores (ARI), é um visto de permanência para quem deseja morar e empreender em terras lusitanas.

Alguns números saltam aos olhos de potenciais investidores em Portugal. O país recebeu 23 milhões de turistas em 2018 e tem atraído um novo perfil de imigrantes de nações como França, Inglaterra, Holanda, Alemanha e do próprio Brasil, que, segundo o executivo, conferem a Portugal um perfil mais cosmopolita.

Outro fator que pode atrair os investidores brasileiros é a facilidade no processo de empreendedorismo por lá. Segundo Antunes, em Portugal é tudo mais simples para se abrir uma empresa comparado ao Brasil.

O executivo destacou algumas marcas brasileiras com forte presença em Portugal: Chilli Beans, iGUi, Information Planet, Morana, O Boticário e ShowColate.

De acordo com a pesquisa Nielsen Global Consumer Loyalty Survey 2019, 89% dos consumidores portugueses gostam de experimentar novos produtos e marcas e o mesmo percentual compra produtos premium e o fazem em lojas físicas. A grande maioria afirma estar disposta a pagar um preço premium por produtos com essas características, aponta o estudo Changing Consumer Prosperity 2019, também da Nielsen.

Segundo Antunes, há oportunidades para franquias brasileiras de produtos alimentares étnicos, com apelo a um estilo de vida saudável e sustentável; moda e calçado; cosméticos com apelo saudável e com ingredientes brasileiros; serviços inovadores (saúde, conveniência, esporte etc.) e tecnologia. Neste segmento, o especialista citou a rede de franquias TOTVS e a provedora de soluções de negócios baseadas em tecnologia Stefanini, como exemplos de empresas brasileiras de tecnologia da informação (TI) bem-sucedidas no país lusitano. “O nome do Brasil está muito associado à inovação em Portugal”, afirmou.

O especialista recomenda aos potenciais investidores brasileiros em Portugal que entendam a cultura, os hábitos e costumes locais. É preciso “europalizar sem deixar de tropicalizar”, adaptar-se ao mercado português e europeu, valorizando a identidade do produto ou serviço brasileiro, e apresentar e destacar sempre o que o Brasil tem de inovador. “Portugal está muito familiarizado com a cultura brasileira”, disse, além de ser uma entrada privilegiada para outros países da Europa e da África.

O evento foi elogiado pelos participantes. Os diretores da The Joy School, Ludmila e Rinaldo Fernandes, disseram ter gostado bastante. “O workshop nos dá uma visão bem global dos passos que precisamos tomar”, completou Ludmila.

Confira a lista de marcas participantes do Workshop de Internacionalização ABF e Apex-Brasil:

Alexandre David Advogados
All Pé Gestão de Negócios S/A
Brandão & Oliveira Advogados
Cacau Show
Casa da Empada
Casa do Construtor
Cia. Hering
Coife Odonto
Fábrica de Bolo Vó Alzira
Flamy Franquias
Global Franchise
Goakira
Mania de Churrasco!
Mercadão dos Óculos
Mr. Cheney Cookies
Padaria Pet
PopCorn Gourmet
Purific Brasil
Sobrancelhas Design
Spé, O Spa Do Pé
The Joy School

 

Fotos: ABF/Divulgação