Mentalidade de Caranguejo

Luciano Pires

Se você jogar um monte de caranguejos dentro de um balde, sempre que um estiver para escapar, uma garra o puxará para baixo, de volta pra dentro do balde. E assim nenhum caranguejo consegue sair.

Essa é a metáfora do balde de caranguejos: não deixar que o outro seja mais que nós, que prove que estamos errados, que revele como somos menos preparados, menos inteligentes. Para muita gente essa constatação de inferioridade é insuportável.

Em vez de focar em nossas limitações, preferimos trabalhar para reduzir a autoconfiança dos que estão progredindo. Você já viu isso, hein?

Esse é um problema de caráter, mas a coisa fica mais grave quando a mentalidade de caranguejo domina grupos, se transformando em leis, regras e normas que, a pretexto de promover igualdade, servem apenas para puxar para baixo quem está tentando se destacar.

A mentalidade de caranguejo só serve para alimentar inseguranças e baixa autoestima. E mesmo que você sinta algum prazer, que alimente seu ego com alguma sensação positiva, torcer e trabalhar para o insucesso dos outros não é uma estratégia viável para o bem-estar no longo prazo. Onde é que isso leva você, hein?

Sempre, repito, sempre haverá gente mais inteligente, mais bonita, mais rica, mais forte, mais preparada, mais agradável, mais sortuda que você. Se você ficar se comparando, a única coisa que acontecerá é que será cada vez mais difícil aumentar sua autoestima. Seu perdedor!

Em vez da união para atingir um bem comum, temos o conflito e o confronto, a quebra do tecido social.

Para com isso, meu. Qualquer um que estiver contribuindo para o progresso, de forma genuína e moral, está fazendo algo positivo por você. É alguém como você, vivendo uma experiência que você gostaria de viver. Tente se mostrar satisfeito por ela ou por ele.
Agora eu preciso trabalhar.

Tem mais um monte de bandido pra botar na cadeia e um país inteiro pra reconstruir.

*Por Luciano Pires