Um bom negócio

REVISTA METROPOLE (JORNAL CORREIO POPULAR – CAMPINAS) – GABRIELA ADABO  – 11/08
 
E por que as franquias fazem tanto sucesso Para o diretor-executivo da ABF, Ricardo Camargo, a resposta está na estrutura do sistema. “São empresas com visão apurada dos negócios: maior conhecimento do mercado, pesquisa, treinamento inicial, mais inteligência comercial, maior experiência para formatar o plano estratégico da companhia”, diz. Natureza que explica o crescimento do setor, devido, em grande parte, também segundo o diretor, ao elevado número de aberturas anuais de franquias resultado de métodos de estudos que permitem determinar os melhores pontos e a abrir unidades com mais frequência que outros tipos de empresas.

“Tocar um negócio no Brasil é algo bastante complexo, envolve um emaranhado jurídico, a dificuldade de contratar mão de obra e de fazer treinamentos, entre outros aspectos. As franquias já desenvolveram ferramentas para que isso ocorra de maneira mais amena e entregam todas essas informações ao franqueado”, justifica Camargo. Característica que as torna um bom negócio também para quem não tem experiência no comando de uma empresa, já que o franqueado terá orientação em todos os sentidos, da estocagem ao treinamento de pessoal. “Ao final de um ano no comando de uma franquia, ele estará apto a tocar o segundo negócio. O grande lucro da franquia está em expandir o número de pontos para um retorno maior”, orienta.
Nesse cenário, Campinas ocupa lugar de destaque: é a segunda maior cidade em número de unidades instaladas no Estado, segundo a ABF. De acordo com dados da Associação Comercial e Industrial de Campinas (Acic).
 
A nossa região metropolitana fechou 2012 com 4.615 unidades de franquias, 310 a mais do que no ano anterior. O setor movimentou cerca de R$ 3 bilhões e a previsão é encerrar este ano com R$ 3,5 bi, segundo o economista do órgão, Laerte Martins. “Hoje o setor tem uma representatividade relativamente boa e traz investimentos para o município que fortalecem o comércio, pois provocam maior procura de produtos no mercado, o que significa crescimento da atividade comercial”, opina.
 
Apesar de um desempenho não muito favorável da economia, a cidade e a região ainda atuam como uma espécie de ímã para as franquias, de acordo com o diretor-executivo da ABF. A previsão de crescimento é alimentada, principalmente, pelo setor de shopping centers, que concentram entre 60% e 70% do total de lojas franqueadas. A recente expansão e o aumento no número de centros comerciais de Campinas e região contribuíram para o crescimento da instalação de franquias.
 
Para arrematar esse quadro, a cidade tem importância que extrapola seus limites, graças às redes nascidas em seu território. “As marcas da região hoje estão fazendo uma migração nacional. Há franquias que já têm representantes em todos os estados”, analisa Camargo.