Perspectivas políticas, internacionalização e painéis na Convenção ABF 2018

A manhã de sábado, dia 20, fechou a programação de conteúdo da 18ª Convenção com painéis paralelos e plenária final com o tema “Qual futuro podemos construir juntos?”. Com duas rodadas de painéis e três mesas paralelas, a manhã do sábado apresentou diferentes temas aos congressistas como “Perspectivas políticas”, “Gestão de Talentos”, “Adrenalina nos negócios”, Processos de sucessão”, Transformação digital” e “Internacionalização”.

Flavio Conrad, do Grupo Restaura, e Lucy Onodera, da Onodera Estética, compartilharam suas práticas em esportes radicais e atividades de aventuras aos participantes relacionando essas experiências ao dia a dia dos negócios e desafios do franchising: “Quando você está de bicicleta em uma trilha, você pode focar nos problemas do caminho como buracos, por exemplo, ou focar no caminho e no objetivo final, que é onde você quer chegar”, disse Lucy.

O futuro foi muito debatido durante a convenção. À jornalista econômica Thais Herédia coube a difícil tarefa de apresentar o cenário econômico político do Brasil no futuro mais próximo, ou seja, logo após as eleições.

Com muita propriedade e consistência de dados e informações, a jornalista apontou questões antigas do Estado brasileiro que, segundo ela, não há mais como empurrar com a barriga. “As reformas da Previdência, Tributária, Política e do próprio Estado brasileiro são urgentes e precisarão serem realizadas seja qual for o próximo presidente da República. A jornalista foi categórica também ao dizer que “o Brasil continua sendo inevitável”, ou seja, ainda é um País que oferece inúmeras oportunidades para investidores internacionais, mas precisa sanar seus problemas internos para atrair esse capital.

“Não dá para alcançar a competitividade e produtividade que precisamos com um Estado que cresce duas vezes mais do que se produz anualmente no Brasil. Essa situação torna a gestão do Brasil inviável”, afirmou Thais.

Ainda segundo ela, o horizonte político ainda é incerto.  “Com a renovação significativa do legislativo serão estabelecidas novas lideranças. São elas, que juntamente com o novo presidente, terão que executar essas mudanças estruturais para evitar que a economia brasileira viva novamente o colapso inflacionário que a cometeu nos anos 80”.

Em internacionalização, foi apresentado o novo estudo feito em parceria com a ESPM, intitulado “Livro Verde”. Em sua 5ª edição, O livro analisa os principais desafios para a construção das marcas nacionais no exterior. Segundo a professora Thelma Rocha, Dentre os assuntos abordados no estudo, destaca-se: comunicar ao parceiro internacional a respeito do know-how que resulta no sucesso da marca no Brasil; o necessário cuidado com a manutenção do núcleo padronizado do produto ou serviço por parte da empresa franqueadora, mesmo adaptando-o à cultura local, e a definição clara da estratégia de posicionamento no exterior: “crescer no exterior é um desafio de longo prazo, que se constrói passo a passo, desde que se tenha um planejamento prévio”, afirma.