Desafios dos novos modelos de franquias

Novos modelos
Cristina Franco, Melitha Novoa Prado e Marcelo Cherto analisam os desafios dos novos modelos de franquias

O 11º Simpósio Jurídico ABF, realizado durante a Franchising Week 2018, debateu os desafios dos novos modelos de franquias. O assunto foi tratado por Cristina Franco, membro do Conselho de Associados, Melitha Novoa Prado, coordenadora do Comitê de Estudos Jurídicos, e Marcelo Cherto, também membro do Conselho da ABF e moderador do painel.

As franquias sociais foi um dos modelos analisados. Para Cherto, “temos que ter a cabeça aberta, pois os tempos estão mudando, você tem que estar preparado para a mudança”. Ainda segundo ele, o papel da ABF é somar forçar com as franquias inovadoras. A entidade deve “acolher, analisar caso a caso para analisar se a entrega está sendo feita com qualidade, se os franqueados estão levando valor para a sociedade, para a comunidade”, defendeu.

Na visão de Cristina, “o franchising é uma das indústrias mais vanguardistas que têm no mundo. Nós começamos a nossa indústria lá na década de cinquenta com o conceito da economia compartilhada. A gente compartilha resultados entre franqueador e franqueado”, disse.

Parafraseando Chico Science, cantor e compositor pernambucano já falecido e um dos principais representantes do movimento Manguebeat, Cristina observou: “Chico Science traz pra gente a seguinte frase: ‘Pernambuco debaixo dos pés e a cabeça na imensidão’. O franchising aqui, com advocacy, um franchising que respeita, que corrobora as boas práticas, mas com a cabeça aberta para poder ampliar e trazer novos modelos para dentro da entidade”.

Já para Melitha, “o franchising tem que ter algum risco”. Segundo a advogada, é importante que os profissionais de direito tenham um olhar muito mais profundo e analisem quais os impactos que aquele modelo vai trazer econômica e socialmente.

Foto: Keiny Andrade