Crescimento da Região Sudeste

Jornal Estado de Minas – Pedro Pote – 07/05 
 
A Região Sudeste é uma das que mais crescem economicamente no país. Minas Gerais é o estado da região que obteve maior evolução do Produto Interno Bruto (PIB) no período de 2002 a 2010. Enquanto em 2002 o estado respondia por 8,6% do PIB brasileiro, totalizando R$ 127,8 bilhões, em 2010 a participação subiu para 9,3%, chegando a R$ 351,4 bilhões, de acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O potencial de consumo do interior do Sudeste também é crescente, passando dos atuais R$ 190,8 bilhões para R$ 654 bilhões em dez anos, segundo o IPC Maps.
 
Com um PIB superior a R$ 350 bilhões, uma renda per capita de R$ 21 mil e uma população acima de 20 milhões de habitantes, Minas é o segundo maior estado do país. Belo Horizonte, com seus 2,5 milhões de habitantes, é a terceira maior cidade da Federação. Todos esses fatores contribuem para o aumento de empresas e de negócios no Sudeste, em especial no mercado mineiro. Um exemplo é a evolução do segmento de franquias. De acordo com dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), o faturamento total das franquias no país alcançou a marca de R$ 75,987 bilhões no ano passado. O número de redes em operação cresceu 12,9% e o número de unidades (franqueadas e próprias) chegou a 86.365, significando um incremento de 8% em relação ao ano anterior. Essa expansão resultou na abertura de mais de 57 mil postos de trabalho. O setor é responsável hoje por mais de 777 mil empregos diretos.
 
Minas Gerais desponta nesse tipo de negócio, tanto que será realizada em Belo Horizonte a 15s edição da Feira Nacional de Franquias Franchising Fair, no Expominas, entre os dias 15 e 18 de maio. A feira é uma realização da ABF e vai contar com mais de 60 expositores em diversos segmentos de atuação, desde redes de franquias nacionais até as grandes marcas internacionais.
 
As franquias se consolidam como uma das formas mais seguras para investimento, com destaque para as do setor imobiliário. Afinal, é outro setor que apresentou crescimento significativo nos últimos anos. A ascensão da classe C é um dos fatores que explicam esse crescimento, principalmente se considerarmos que esses consumidores vão dominar o mercado residencial nos próximos anos. Algumas projeções de especialistas apontam que a classe C deva responder por uma demanda habitacional potencial de 10,4 milhões de imóveis até 2016. A projeção de consumo tem como base o aumento da renda per capita familiar. As famílias estão deixando o aluguel para investir no sonho da casa própria, uma vez que estão com mais dinheiro no bolso. Nessa conta ainda entram as famílias que compram imóveis para investimento, os novos casais e a geração que busca independência, deixando a casa dos pais.
 
Diversas franquias do segmento imobiliário estão acompanhando essas mudanças do cenário brasileiro e investindo na captação de franqueados. O processo de relacionamento com os franqueados inclui pesquisas de mercado para verificar a melhor localização do ponto comercial; oportunidades e planejamento sobre as despesas iniciais; previsão de gastos com obras e divulgação da marca. Os itens como público potencial, concorrência e perspectivas de crescimento para a região também são avaliados.
 
Aproveitar o momento positivo para o investimento e buscar informações sobre o mercado são pontos de grande relevância. Acompanhar de perto o desenvolvimento do mercado também permite uma escolha mais adequada e pertinente sobre o tipo de negócio que se deseja empreender.