Crescer como gente grande

As marcas com mais unidades em cada um dos segmentos listados pela ABF contam como pretendem crescer em 2018

Os índices econômicos têm mostrado que 2018 deve trazer a tão aguardada retomada do consumo. Para ajudar o setor a se preparar para um possível cenário pós-crise, a Revista Franquia & Negócios consultou as marcas líderes em cada segmento, de acordo com o levantamento TOP 50 da ABF, para saber o que elas esperam para o período e quais oportunidades enxergam para o crescimento de seu respectivo mercado. Confira a seguir:

Limpeza e Conservação
O segmento vem crescendo continuamente desde a aprovação da chamada Proposta de Emenda Constitucional (PEC) das Domésticas, em 2015, pois ganhou ainda mais força na limpeza residencial. As lavanderias também ganharam destaque durante a crise hídrica e aproveitaram para inovar com serviços de delivery e assinatura de lavagens.

5àsec
Segmento: Limpeza e Conservação
Unidades: 457
Quem fala: Robert Moreira, gerente de expansão da 5àsec

Planos de expansão:
A rede desenvolveu um modelo mais enxuto (a partir de R$ 176 mil) e visa expandir em cidades menores ou no interior das regiões Sul, Sudeste e Nordeste. “Para 2018, a expectativa é crescer acima do mercado, galgando resultados para que haja um aumento de 4% no faturamento. Já o plano de expansão da marca visa à venda de 35 novas unidades e abertura de 45 franquias, 20 vendidas no segundo semestre de 2017”, explica.
Oportunidades de mercado: “Buscamos negociar no mercado de lavanderias de marcas próprias, para que as que tenham perfil sejam possivelmente convertidas para 5àSec com uma condição especial”.

Comunicação, Informática e Eletrônicos
Atualmente 77% dos brasileiros possuem algum telefone celular, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O dispositivo é utilizado por 95% das pessoas que têm acesso à internet, que já somam 116 milhões (64,7% da população). Isso só mostra a importância cada vez maior da internet no dia a dia das pessoas. A demanda por produtos e serviços desse segmento se manteve, mesmo na crise. Empresas também têm demandado soluções de marketing digital e meios de pagamento, refletindo o comportamento de seus consumidores e colaboradores.

Acqio Franchising
Segmento: Comunicação, Informática e Eletrônicos
Unidades: 672
Quem fala: Carlos Rollo, diretor de marketing da Acqio Franchising

Planos de expansão:
Forte investimento em mídia e feiras de negócios para gerar leads. “Além disso, foco em treinamento através da Universidade Acqio com o propósito principal de capacitar a rede com mais de 650 empreendedores franqueados, equalizando conteúdos educacionais voltados para atuação no dia a dia com habilidades e conhecimentos padronizados”, explica.

Oportunidades de mercado: “Atuamos num segmento que movimenta trilhões de reais, em um mercado onde cada vez mais os lojistas procuram menores custos com maiores prazos de parcelamento, mais segurança e transparência nas transações e conciliações bancárias e excelente atendimento pessoal”, afirma.

Alimentação
A saudabilidade entrou no cardápio de diversas redes em 2017, atendendo à demanda da população por mais opções. Da mesma forma, alimentos direcionados para intolerantes à lactose e glúten, por exemplo, também passaram a figurar nas marcas. Outra tendência observada foi a variedade de produtos vegetarianos e veganos. Tudo isso ajudou a atrair novos públicos para as redes de alimentação. Outro recurso que também teve destaque foram as novas formas de chegar ao consumidor, principalmente por delivery via aplicativos próprios e de terceiros.

Serviços Automotivos
De acordo com a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), a venda de veículos novos voltou a crescer em 2018 e atingiu 23% em janeiro, em comparação ao mesmo período do ano passado. Depois de anos de queda, o segmento vem experimentando novas elevações nas cifras e, consequentemente, mais demanda para serviços de revisão e manutenção.

am/pm e Jet Oil
Segmento: Alimentação e Serviços automotivos, respectivamente
Unidades: 2415 e 1735, respectivamente
Quem fala: Ipiranga

Planos de expansão:
Em 2018, a intenção da marca é continuar investindo em novos formatos de lojas para postos urbanos e de rodovia, como a am/pm Estação. Outra novidade são os novos produtos de marca própria. Da mesma forma, a Ipiranga busca a expansão do Jet Oil. Segundo a empresa, o modelo atual é todo digital, em que o serviço pode ser acompanhado pelo cliente por meio de telas instaladas na unidade.
Oportunidades de mercado: O objetivo é, cada vez mais, tornar os postos Ipiranga um hub de negócios para que o cliente possa ter acesso ao maior número de serviços em apenas um lugar.

Moda
Apesar do crescimento dos brechós e da moda compartilhada, o varejo de roupas e acessórios ainda se faz muito presente na vida dos brasileiros. Posicionamento, viés de lifestyle e outras vertentes têm ajudado a atrair e a fidelizar consumidores. O e-commerce ganhou espaço, no entanto, as vendas nas lojas físicas ainda representam 92% do montante, de acordo com o instituto IEMI Inteligência de Mercado.

Chilli Beans
Segmento: Moda
Unidades: 722
Quem fala: Caito Maia, presidente da Chilli Beans

Planos de expansão:
A meta da rede é abrir 100 novos pontos de venda em 2018, chegando a mais de 900 lojas no Brasil e no mundo.

Oportunidade de mercado: “O Brasil é um País muito grande e tem muito a ser explorado ainda. Nosso foco maior é crescer em lojas de rua, além de aumentar a nossa participação nas categorias de óculos de sol e de grau. Nesse último, continuaremos com nossa expansão em óticas multimarcas, onde obtivemos um alto crescimento desde o lançamento do projeto, em 2016”, afirma.

Serviços e Outros Negócios
É um segmento amplo e com diversas oportunidades de atuação. Os destaques no período foram as empresas com foco B2B (que atendem outras empresas), como serviços administrativos, certificados digitais e contabilidade. De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), existem 6,4 milhões de estabelecimentos no Brasil, sendo que 99% são micro e pequenas empresas (MPE), justamente o público-alvo desses serviços.

Correios
Segmento: Serviços e outros negócios
Unidades: 1002
Quem fala: Cristiano Barata Morbach, vice-presidente de Canais dos Correios

Planos de expansão:
“Os Correios enxergam a franquia como um braço fundamental no seu esforço comercial. Temos em torno de mil franquias e seis mil agências próprias. Com base nos estudos internos, identificamos que o canal franqueado é o que mais cresce internamente, seja com esforço comercial, vendas e prospecção de novos clientes”, explica. Com isso, os Correios pretendem expandir e chegar a abrir até duas mil franquias novas até 2019.
Oportunidades de mercado: “Através das parcerias com franqueados conseguimos trazer novos modelos mais enxutos, agregar produtos específicos para determinados mercados e fazer integração de aplicativo de atendimento que pode proporcionar tempo de espera menor”.

Hotelaria e Turismo
Depois de dois anos em recessão, o brasileiro voltou a viajar. De acordo com dados do Ministério do Turismo 26,5% dos brasileiros têm intenção de viajar neste primeiro semestre de 2018. Os destinos domésticos continuam em alta e são o foco de 81% desse total. Uma das razões apontadas é a cotação das moedas estrangeiras. Quase metade (49%) desse contingente têm como meta o Nordeste. Para chegar nesses públicos, as redes especializadas também passaram a atuar mais na internet, com convergência on-line e formatos home based.

CVC Brasil
Segmento: Hotelaria e Turismo
Unidades: 1097
Quem fala: Emerson Belan,
diretor geral da CVC

Planos de expansão:
“A marca segue com a meta de abertura de 100 novas lojas a cada ano e intensifica o plano de interiorização com a inauguração de unidades em cidades a partir de 50 mil habitantes, que despontam como importantes bases de consumo. Iniciado há três anos, o plano de interiorização considera que 60% da meta de abertura seja em cidades brasileiras com mais de 50 mil habitantes”. Além disso, a CVC pretende converter multimarcas em lojas exclusivas e fortalecer o investimento em digital: as vendas realizadas na internet são direcionadas para lojas físicas, por meio de geolocalização.

Oportunidades de mercado: A rede pretende avançar na interiorização e, por essa razão, pensa em modelos que atendam a demandas menores, mas pujantes. “Para este ano, a CVC começa a testar novos modelos de pontos de vendas como, por exemplo, os quiosques instalados em corredores de shoppings, que podem ser uma alternativa em centros comerciais com grande fluxo de pessoas, mas sem disponibilidade de espaço para a instalação de uma loja padrão, para funcionarem em temporadas como um apoio às lojas já existentes nesses locais. Nesse mesmo modelo, por ser flexível, o franqueado também tem a oportunidade de adaptar a ‘loja itinerante’ para eventos itinerantes, levando oportunidades aos consumidores”, afirma.

Saúde, Beleza e Bem-Estar
De acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), entre as tendências desse segmento se destacam as visitas cada vez mais frequentes de jovens a salões de beleza; o aumento da longevidade da população (que demanda novos produtos e serviços); a maior preocupação masculina com estética (que também origina novos serviços, como as barbearias temáticas); e as oportunidades de nicho de cuidados de beleza, como design de sobrancelhas, depilação, esmalterias etc. Além disso, os reajustes de planos de saúde fizeram com que diversos clientes migrassem para as clínicas populares no período.

Grupo Boticário
Segmento: Saúde, Beleza e Bem-Estar
Unidades: 3762
Quem fala: André Farber, vice-presidente de Negócios
Franquia do Grupo Boticário

Planos de expansão:
No fim do ano passado, O Boticário inaugurou um novo formato de loja focada na experiência do consumidor, no Rio de Janeiro. “Para 2018, nossos planos são expandir esse novo conceito para outras cidades do Brasil. Existe a possibilidade desse modelo ser levado também para o exterior, principalmente, para Portugal, onde temos quase 60 lojas. Seguiremos investindo no desenvolvimento de nossos produtos e marcas, canais e experiências”, afirma.

Oportunidades de mercado: “Acreditamos que o mercado de cosméticos pode se beneficiar de um cenário econômico mais positivo em 2018, já que a queda da inflação abre espaço para aumento do consumo desses itens, ao mesmo tempo em que a confiança das famílias melhora”.

Casa e Construção
Embora no resultado do Produto Interno Bruto (PIB) a construção civil não tenha apresentado crescimento, as pequenas reformas tiveram destaque no último ano. A liberação de recursos por meio do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) Inativo e Programa Integração Social (PIS) fez com que os brasileiros aproveitassem para realizar reformas, reparos e manutenções que estavam represadas. As apostas são promissoras para 2018, principalmente pela expectativa de entrada da tecnologia no segmento, com internet das coisas, machine learning e realidade aumentada, que ajudam a inovar, conter custos e elevar projeções de rentabilidade.

iGUi
Segmento: Casa e Construção
Unidades: 315
Quem fala: Filipe Sisson, presidente da iGUi Worldwide

Planos de expansão:
A marca está presente em 43 países e anuncia a entrada no quinto continente, em abril, com abertura na Oceania. A expectativa é alcançar o número de mil lojas, em todo o mundo. Em termos de produto, a novidade para este ano é o conceito Unlimited, tratado como uma disrupção pela marca, uma vez que permite desenvolver qualquer modelo de piscina seguindo formas lineares.

Oportunidade de mercado: “Há, ainda, muitos locais para explorar. Com certeza, a interiorização é uma tendência muito forte. Queremos continuar trabalhando e investindo nas novas marcas e produtos como a Unlimited e a Tratabem”, afirma.

Serviços Educacionais
No fim de 2017, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) considerou inconstitucional a Lei 15.854/2015, conhecida como Lei da Promoção, por meio de ação ajuizada pela ABF. A normativa obrigava prestadores de serviços contínuos a estender eventuais promoções destinadas a novos clientes para toda a base cadastrada. Isso inibia o crescimento das redes de ensino de idiomas, por exemplo, mas que agora passaram a poder oferecer condições diferenciadas novamente. Além disso, o desemprego estimulou a maior procura por capacitação profissional e empreendedorismo, o que favoreceu a criação de novas redes e cursos de Ensino à Distância (EAD).

Kumon
Segmento: Serviços Educacionais
Unidades: 1400
Quem fala: Thiago Alves de Lima,
gerente de expansão Kumon

Planos de expansão:
A rede pretende abrir 130 franquias de Norte a Sul do Brasil em 2018. “Para isso, contamos com três pontos principais: equipe de consultores de expansão para oferecer suporte no Brasil inteiro; investimento no marketing digital; e campanha de Indicação de candidatos a franquia pela própria rede”, afirma.

Oportunidades de mercado: Além do crescimento do mercado de franquias, outro fator de suma importância, na visão do Kumon, é a necessidade de contribuição para um mundo melhor, ou seja, pessoas querem empreender, tornarem-se empresários de sucesso, porém fazendo algo que traz um benefício à sociedade. “Isso é algo que nos deixa muito contentes, pois podemos oferecer através do desenvolvimento de nossos alunos com as disciplinas de matemática, português e inglês”.