Comunicação e tecnologia lideram crescimento

Jornal do Commercio do RJ – Wanilson Oliveira – 06/04

Agências digitais e a venda de smartphones e aparelhos de TV empurram os setores, que fecharam 2014 com um aumento de 27% do faturamento

Os segmentos de Comunicação, Informática e Eletrônicos, lideraram o crescimento do mercado de franquias brasileiro em 2014. Segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF), as empesas do setor tiveram um faturamento 27% maior do que em 2013.

“O aumento do número de empresas prestadoras de serviço e agências digitais, além da crescente venda de smartphones, computadores e aparelhos de TV favoreceram a expansão desse mercado”, explica o presidente da entidade, Beto Filho, ressaltando que em todo o Estado do Rio, o segmento de serviços cresceu em unidades no ano passado 50% em relação a 2013. Os números representam também a diversificação do franchising no Brasil. Em 2014, apesar da instabilidade econômica, o as franquias cresceram 7,7%. O sucesso leva cada vez mais empreendedores a transformar seu negócio de sucesso em uma rede.

Dênis Santini, CEO do Grupo MDCom, disse que o empresário que deseja transformar seu negócio em franquia precisa ter estrutura física, recursos financeiros para formatar o negócio e uma boa equipe. Segundo ele, os setores mais promissores são os de alimentação, educação e serviços. “O empreendedor que se torna franqueador, precisa entender que, além de conhecer o seu negócio, produtos, serviços e seus concorrentes, ele precisará lidar com pessoas, com expectativas, e demandas que não está acostumado, e com diferentes níveis sociais e culturais. É um grande e, muitas vezes, gratificante desafio”, ressaltou.
 
Especialista em formação de franquias, André Pereira da Consultoria Soares Pereira Papera, ressalta que o empresário precisa ter um histórico de sucesso, produtos de qualidade e bons preços e que sejam fáceis de serem replicados. Para o consultor, o empreendedor precisa ficar antenado e perceber que novos setores podem ser a chave do sucesso. “Nos próximos anos a tendência de crescimento aponta para os produtos voltados a terceira idade e para o público LGBT”, previu.

Precaução

A advogada Maria de Fátima Caldas Guimarães, do escritório Guimarães Caldas Advogados Associados, alerta que é preciso cautela antes de pensar em expansão. Segundo ela, o ideal é fazer um estudo financeiro para avaliar todo histórico e traçar uma projeção. “É aquele velho dito popular, não dê um passo maior que a perna. Não é porque o negócio vai bem que necessariamente, foi encontrada a fórmula perfeita do sucesso. A franquia exige uma grande atenção do franqueado, muito mais ainda do franqueador”, frisou.

Para Guimarães, o primeiro passo é ter um aliado jurídico para blindar a empresa. Ou seja, ficar atento a todo tipo de possibilidade, desde ao descumprimento de prazos, até estrutura, padronização e conflitos que podem ser resolvidos através de uma mediação. “Comparando ao setor da saúde, não se pode esperar ficar doente para procurar um médico de confiança”.

Especialista em Direito do Consumidor, David Alfredo Nigri, reafirmou que o empresário franqueador corre o risco de insucesso se não estruturar termos de gerenciamento de rede, solucionar bem os franqueados e ter assessoria jurídica para elaborar contrato e intermediar conflitos. “Entre as falhas cometidas pelos novos empreendedores está a falta de análise financeira. É preciso verificar o ponto de equilíbrio e tempo de retorno de investimento para ele e para o franqueado”.

Dono da We Do Logos, empresa especializada em design e identidade visual, Gustavo Mota, decidiu ampliar sua empresa por meio do modelo de franquia. “Após seis meses estudando o mercado e o público, lançamos o modelo este ano e sete unidades já estão em pleno funcionamento”, contou.

O empresário disse que antes de dar o pontapé inicial no projeto, buscou auxílio de especialistas e que ainda contou com a ajuda de uma empresa aceleradora. Confiante com a rede, Mota espera abrir mais 30 unidades até o final do ano e lucrar cerca de R$ 6 milhões. “Estamos muito satisfeitos com os franqueados que estão iniciando nossa rede”, afirma.
 
À frente de duas clínicas e uma escola onde ensinava os procedimentos estéticos, Vanessa Silveira virou decidiu ampliar sua empresa e se transformou em franqueadora da Clínica VS, pioneira no processo de micropigmentação. Apesar de só ter uma unidade franqueada em funcionamento até o momento, ela disse em maio, duas novas clínicas serão inauguradas e até o final do ano a meta é comercializar mais 15 franquias. “No ano passado faturamos 1,6 milhões. Neste ano pretendemos dobrar este número”, revelou a empresária que disse estar satisfeita com o crescimento e a procura de pessoas que estão interessadas em seu negócio.

Há oito anos no comando do restaurante mexicano Guaca-mole, o empresário Robson Gonçalves explica que buscou orientação com profissionais antes de abrir o novo empreendimento, a fim de identificar melhor que perfil teria seus franqueados. “É preciso muita dedicação para tocar um negócio. A pessoa tem que está disposta a trabalhar fora do horário convencional, abrir mão de alguns finais de semana e até mesmo de algumas noites”, lembrou.