Com baixo custo e lucro rápido, pequenos negócios se expandem pelo País

Portal R7 – Luiz Betti – 14/04
Já pensou em dizer “adeus” para seu chefe e abrir o próprio negócio investindo apenas R$ 5.000? Com promessa de retorno rápido, risco pequeno e investimento baixo, as microfranquias estão caindo no gosto de quem busca ganhar a vida sem patrão.
Só no ano passado, o segmento (que agrupa franquias com investimento inicial entre R$ 5.000 e R$ 80 mil) cresceu 29% em número de lojas e 31% em faturamento, movimentando R$ 5,9 bilhões.
O resultado é quase o triplo do total obtido no ano anterior, segundo dados da ABF (Associação Brasileira de Franchising).
Foi de olho em sua independência profissional que o cientista da computação Fábio Giampani, de 34 anos, investiu R$ 9.000 para abrir uma unidade da seguradora Seguralta, em fevereiro de 2011. “Eu sempre tive o sonho de ser dono do meu próprio negócio, mas os altos valores de investimento da maioria das franquias me impedia. Escolhi o ramo de seguros pois já tinha trabalhado na área vendendo previdência privada”.
Fábio comenta que a maior dificuldade inicial foi conquistar clientes, uma vez que sua cidade (Novo Horizonte, no interior de São Paulo) é pequena e já contava com outras seis corretoras.
Apesar disso, os lucros vieram já no fim do primeiro ano e, segundo ele, hoje a franquia já conta com 650 clientes e um faturamento bruto anual de R$ 700 mil — seu lucro líquido fica entre 10% e 15%. “Eu só vejo vantagens, pois o investimento inicial é baixo e o ganho, alto. É claro que precisa se dedicar e ter paixão pelo que faz. Não adianta você investir numa franquia de venda se não gosta de se comunicar”.
Mais nova no setor, a relações públicas Ana Paula Binotto, de 34 anos, largou o emprego como supervisora de vendas de medicamentos, no qual atuava havia 13 anos, para abrir a sua primeira franquia, em julho de 2013, da rede de limpeza e cuidados domésticos Maria Brasileira. “Eu fui a uma feira de franchising em busca de algo diferente, inovador, e encontrei nela [microfranquia] uma oportunidade de mercado”.
O investimento inicial de R$ 30 mil, gasto com taxa de franquia, uniforme, mobiliário, anúncio, capacitação da equipe, etc., foi recuperado em três meses, afirma Ana Paula, que hoje fatura R$ 30 mil (bruto) e R$ 9.000 (líquido). “O único ponto negativo das microfranquias, que é seguir um mesmo padrão, apesar de cada lugar ter suas especificidades, também pode ser positivo, pois esse padrão traz uma credibilidade e estabilidade que a concorrência não tem”.
Para o diretor de microfranquias da ABF, Edson Ramuth, a principal diferença — e maior vantagem — das microfranquias em relação aos outros tipos de franquias é mesmo o preço de investimento inicial.  “Apesar de mais barata, as microfranquias exigem a mesma dedicação e capacitação técnica do franqueado. Por isso, não estimulamos que investidores adquiram microfranquias, mas pessoas que consigam trabalhar nelas”.
Para 2014, Edson afirma que a tendência é que as microfranquias continuem crescendo em ritmo maior que as demais e repita o crescimento de cerca de 30%.