Bem mais que 20 e poucos anos

Bem mais que 20 e poucos anos - Lei do Franchising comemora consolidação. Regulamentação ajudou a instituir reformulações importantes no sistema.

Clique aqui e acesse todo o conteúdo desta edição.

Lei do Franchising comemora consolidação e amadurecimento. Regulamentação ajudou a instituir reformulações importantes no sistema
Passadas duas décadas desde sua promulgação, a Lei do Franchising (8955/94) pode ser vista como uma iniciativa que ajudou a moldar e fortalecer o sistema de franquias com profissionalização e segurança para quem prospecta marcas.  “A ausência de uma lei específica gerava dúvidas sobre os limites dos contratos e da liberdade das partes em contratar. O próprio governo não sabia como tratar esse segmento que começava a despontar e crescia rapidamente”, explica o diretor jurídico da ABF, Luiz Henrique do Amaral.
A maior contribuição da legislação para o franchising brasileiro foi assegurar que o franqueador entregasse o que prometeu ao franqueado e registrasse por meio da Circular de Oferta de Franquia (COF), que antes de 1994 não era obrigatória. Sequer contrato escrito era uma regra. “As franquias que já existiam foram impelidas a fazer certo, a se profissionalizarem, se não ficariam em evidência”, comenta a advogada da Fernandes e Morse Advogados, Luciana Morse.
No entanto, antes de a Lei chegar ao texto final, muitas mentes ajudaram a costurar um texto que se aproximasse do ideal.
A Lei que quase foi
“Em toda sociedade em que há fortes e fracos, é a liberdade que escraviza e é a lei que liberta”. A frase de Lacordaire é a primeira justificativa apontada no Projeto de Lei 1526/89, redigido pela equipe do então deputado federal Ziza Valadares (PSDB-MG) para propor regulação da expansão de franquias pelo governo.
A motivação do parlamentar para a criação da Lei foi um infortúnio sofrido por um amigo com uma empresa franqueadora, que até então não era regulamentado por nenhuma legislação específica no Brasil. O problema era o raso conhecimento acerca do modelo de gestão. “Tinham muitos vieses como, por exemplo, uma previsão de que o franqueador deveria garantir ao franqueado um lucro mínimo anual”, afirma o advogado Fernando José Fernandes, da Fernandes e Morse Advogados Associados.
Para a redação do PL, Valadares se inspirou no livro “Franchising, Revolução no Marketing”, de Marcelo Cherto, e em um encontro promovido entre o autor e o partido à época. O parlamentar, ainda candidato, disse a Cherto que pretendia criar uma lei para regular o sistema de franquias. “Eu não via necessidade e temia a influência do Estado no setor”, afirma o membro do Conselho de Associados da ABF. No entanto, Valadares foi eleito e avisou: faria a Lei, com a ajuda dos especialistas ou não.
Na época, a ABF acreditava que a melhor forma de punição para quem fosse contra os bons princípios dentro do franchising fosse a coibição dentro da própria comunidade. A ideia era manter a liberdade de contratação, sem normas governamentais. “Entramos em contato com o deputado e ele até aceitou um substitutivo para a Lei, mas não a mitigação. A ABF começou a se reunir para entender o que fazer”, lembra Fernandes.
A equipe da ABF se mobilizou para auxiliar, criticar e melhorar o PL pelos próximos quatro anos. A preocupação era que o artigo se tornasse didático, claro, sem termos rebuscados e que não interferisse na relação entre franqueado e franqueador. “O mercado era jovem e indisciplinado, tínhamos saído de Sarney, de Collor e o franchising indo bem no meio disso tudo, da inflação, atraia muito mau caráter”, comenta Cherto.
Inspiração
O primeiro país a instituir uma legislação de franchising foi os Estados Unidos. Foi sobre essa fonte que os executivos da ABF se debruçaram para trazer informações que pudessem contribuir para a legislação brasileira. “Estudamos as poucas leis que existiam no mundo e trouxemos poucas coisas. O objetivo era ser simples”, explica Cherto. No entanto, existem mais de 15 leis nos Estados Unidos, com diferenciações estaduais. “Eles viveram muitos acertos e erros e chegaram a um ponto que talvez fosse o certo”, comenta Luciana.
Algumas adaptações foram necessárias para que a Lei se adequasse ao mercado brasileiro. Luciana lembra, por exemplo, a obrigatoriedade de conter nos contratos de franquias norte-americanos o posicionamento político dos franqueadores, o que poderia ter forte influência sobre o mercado brasileiro. “Em alguns estados havia a menção expressa que deveria conter engajamento político ou não da franqueadora. Isso poderia mudar a vontade do sujeito de adquirir a franquia”.
Material de consulta
O objetivo era regular o mercado, mas também amparar juízes e disseminar práticas como a importância do manual de transferência de know how nas redes, que por ser citado na Lei, tornava-se prática, na visão dos advogados. “Isso gerou uma grande mudança, uma vez que o franqueador se viu obrigado a entregar ao franqueado o que na verdade tinha sido vendido. A regulamentação do franchising foi de extrema importância para a sobrevivência do segmento no Brasil”, explica a advogada da Tardioli Lima e Novoa Prado Advogados, Melitha Novoa Prado.
Panorama mundial
A Lei brasileira foi vista com admiração pelos demais países. O Brasil tornou-se um dos poucos a ter regulamentação e permanece assim até hoje. “Garante autonomia negocial e de gestão para franqueador e franqueados, sem que tenham que se submeter a órgãos e agências regulatórias, como acontece em outros países”, observa o diretor institucional da ABF, Fernando Tardioli.
Fernando Fernandes comenta que a regulamentação tornou-se referência para outros países da América Latina, como a Colômbia, que se baseou nas regras brasileiras para construir o seu estatuto. “A França não tem Lei de franchising, mas tem um código que cria uma série de regras. No Brasil nós estamos em um estágio bastante adiantado”, afirma.
Veja alguns artigos interessantes do Portal do Franchising, clique e te levaremos para lá: