ABF participa do 66º ENAServ

No Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços, entidade pôde analisar o processo de inclusão de franqueadoras brasileiras em missões internacionais e linhas de crédito do BNDES

No âmbito da parceria e do relacionamento de longo prazo com o Governo Federal – por meio da Apex-Brasil (agência brasileira de fomento à exportação), ligada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) –, a ABF participou do 66º ENAServ – Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços.  Organizado pela AEB – Associação de Comercio Exterior do Brasil, em parceria com a Fecomercio -SP, MDIC/Apex e BNDES, o evento foi realizado dia 8/4 no Teatro Raul Cortez.

A ABF, representada pelo diretor executivo Ricardo Camargo e pela coordenadora internacional Vanessa Fiabane, teve no encontro mais uma oportunidade de contato com importantes representantes desse mercado e de conhecer em detalhes os benefícios dos programas que estão disponíveis para alavancar as exportações de serviços do Brasil.

“Franchising é quase puramente feito de serviços e a ABF participa de todos eventos da Apex com o objetivo de reunir mais informações em seu banco de dados para os associados. O Governo está bastante preocupado com a balança de pagamentos e vê na exportação de serviços uma oportunidade de o País alavancar seus resultados”, explica Camargo.

Com foco em ampliar a internacionalização das redes de franquias brasileiras, a entidade pôde analisar o processo de inclusão de empresas franqueadoras brasileiras nas missões comerciais organizadas pelo Governo e as linhas de crédito do BNDES específicas para quem exporta serviço, além do portal da AEB que disponibiliza diversos estudos de mercado e informações sobre incentivos à exportação, programas e ferramentas especiais para a exportação de serviços.

Os associados interessados em obter mais informações devem entrar em contato pelo email: [email protected]r.

Exportação de serviços
A participação do setor de serviços nas exportações brasileiras vem ganhando relevância no comércio internacional. Segundo o MDIC, enquanto o valor das exportações mundiais de serviços teve elevação de 133,5% no período de 2003 a 2012, o Brasil mostrou aumento de 281,6% no período, de acordo com dados da United Nations Conference on Trade and Development (UNCTAD) e do Banco Central do Brasil (BCB). Os números divulgados pelo ministério mostram que, apesar do déficit no balanço de serviços, associado à dinâmica do crescimento interno, há expansão nas exportações de serviços brasileiros, que passaram de 0,6% em 2003 para 0,9% das exportações mundiais em 2012.

“Os serviços estão localizados no centro do debate sobre competitividade e inovação. O setor está relacionado a importantes fluxos de investimentos diretos e fortemente ligado a sustentação econômica, preponderante na formação e crescimento da renda e na geração de empregos. Por isso, é fundamental a discussão dos principais temas que envolvem esse segmento”, afirma José Augusto de Castro, presidente da AEB.

O evento englobou uma visão geral do comércio internacional de serviços, debates sobre questões tais como a comercialização externa de serviços jurídicos e abordagens a respeito de financiamento, tributação, promoção comercial e sobre temas relacionados à pequena empresa. O público de 500 participantes reuniu empresários, executivos, autoridades do governo, dirigentes de entidades e representantes diplomáticos, além de consultores, profissionais de bancos, seguradores, entre outros.

*Com informações do site do MDIC.