FIAF divulga estudo sobre efeitos da COVID-19 no setor de franquias

FIAF Covid-19

Dados da FIAF demonstram o impacto da pandemia do novo Coronavírus (COVID-19) nos diferentes países da Ibero-América

Em sessão extraordinária realizada em 17 de março, os representantes da Federação Ibero-americana de Franquias (FIAF), cúpula que reúne os países Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Equador, Panamá, Guatemala, México, Peru, Uruguai, Paraguai, Portugal e Venezuela, que discutiram a situação vivida no setor de franquias diante do COVID-19.

Os temas a serem trabalhados pelos membros sócios da FIAF possuem uma implicação nas franquias associadas e estão relacionados às contribuições dos royalties dos franqueados, os custos de aluguel antes do fechamento dos negócios pela quarentena, os aspectos trabalhistas e possíveis soluções como entregas em domicílio e relacionamento de franqueadores e franqueados.

Segundo os dados da FIAF, algumas das medidas que foram tomadas pelos governos dos países membros foram a restrição de horários e somente permitir o serviço a domicílio em 63%, fechamento total do comércio e quarentena obrigatória em 25%.

O setor de varejo é o mais afetado por esta crise, com 50%, seguido pelo setor de restaurantes e alimentação, com 38%. Isso se deve principalmente à queda nas vendas, onde 67% dos negócios tiveram zero vendas, bem como a interrupção na cadeia de suprimentos em 50%.

Os diferentes países da Ibero-América estão vendo esse efeito quando ocorre o fechamento dos shopping centers, medida que a FIAF respeita como parte do chamado das autoridades para interromper o contágio, mas que gera incerteza no pagamento de aluguéis, o que é um dos custos mais altos no nível operacional, bem como a relação contratual com os trabalhadores.

No momento da pesquisa, realizada em 17 de março, há um aumento nos países que aplicam a política de fechamento total do comércio, sendo um cenário previsível que dominará como parte das medidas tomadas. De qualquer forma, a percepção é que, da mesma maneira uma proporção maior de marcas encerrará suas operações voluntariamente nos próximos dias ou semanas, diz Gabriel Grasiuso, secretário geral da Federação.

Do ponto de vista trabalhista, a FIAF convida as autoridades dos países da Ibero-América a emitir diretrizes claras sobre medidas que permitam o setor de franquias apoiar a tomada de decisões, uma vez que em 63% dos países não há diretrizes que permitem tomar medidas como a suspensão temporária do contrato, sem pagamento de salários ou poder usar as férias dos funcionários como uma medida temporária de descanso.

Outro aspecto relevante para o setor é o pagamento de royalties. José Roberto Fernández, diretor executivo da FIAF, afirma: “Os franqueadores terão a vontade de negociar com seus franqueados as taxas de royalties. Este é um cenário esperado que terá um impacto econômico para franqueadores e franqueados e eles devem ser negociados durante a crise”.

O estudo desenvolvido pela FIAF apresenta as necessidades de suporte esperadas pelas franquias de suas associações nacionais diante desta situação de pandemia.

Em primeiro lugar, com 40%, destaca-se o relacionamento de união com as autoridades governamentais. Em segundo lugar, com 35%, as franquias precisarão de apoio em questões trabalhistas, onde uma contingência legal está prevista em um ambiente social e empresarial extremamente complexo. O terceiro serviço de suporte que os parceiros esperam é em questões jurídicas (10%) ante violações de contratos de franquia por franqueadores e franqueados no contexto da atual crise grave.

Finalmente, a FIAF orienta as associações de franquias a concentrarem seus esforços de apoio aos membros e a abordarem proativamente os governos na busca de políticas consensuais para os meses seguintes em termos de questões legislativas, fiscais, trabalhistas e econômicas que busquem sobrevivência dos negócios, bem como com instituições financeiras, bancos públicos e privados. Estamos conscientes de que este é um momento em que devemos nos apoiar e seguir as orientações das autoridades sanitárias e tentar minimizar o impacto econômico e social desta emergência mundial.

O setor de franquias é composto por 7.500 marcas e redes, com mais de 100 mil franqueados e 2 milhões de empregos diretos e indiretos, a FIAF como a organização supranacional promove o desenvolvimento do sistema de franquias na América Latina e reúne 13 países e suas associações e através delas. Elas são a única voz oficial do setor.

Para acessar os números e o estudo da FIAF na íntegra, além de suas conclusões, clique aqui.