Expansão de multifranqueados, clusterização e disruptura no franchising

Expansão
Glauber Gentil (em pé) e Alessandro Alves no painel sobre o Pós-Multi Unit da 4ª ABF Franchising Week

As estratégias e desafios de expandir uma empresa de gestão de franquias foram detalhados no painel “Pós-Multi-Unit: expansão – como crescer?”. Glauber Gentil, membro da Comissão de Franqueados da ABF e CEO do Grupo Gentil expôs o seu case sob moderação de Alessandro Pereira, diretor de marketing e comunicação da ABF e sócio-fundador da Mania de Churrasco! Prime Steak House.

Multifranqueado, o Grupo Gentil conta com 94 unidades de franquias das redes O Boticário, quem disse, berenice? e Swarovski, em cinco estados brasileiros. Possui sedes em Natal, São Luís e São Paulo e cerca de 700 colaboradores. Desse total de operações, 24 foram abertas nos últimos três anos, disse Gentil.

Segundo o executivo, o grande exercício a ser feito é como ter um crescimento exponencial das unidades, mas não só em quantidade de lojas, como também um crescimento inorgânico.

Gentil defende que a empresa multifranqueada se estruture para crescer e ter unidades mais lucrativas, crie sua identidade de marca e cultura próprias. “Sua marca precisa ter identidade cultural e valor. Ainda que seja para enaltecer as marcas da franqueadora. Os colaboradores precisam ter orgulho de pertencimento a uma empresa de expansão”, afirmou. Ainda segundo o executivo, é preciso aprender com os erros e olhar muito para o caixa.

Expansão
Mauro Nomura e Sidnei Amendoeira (sentado): a clusterização no franchising

Clusterização
Na plenária “Clusterização: como ter modelos diferentes dentro da mesma rede”, Mauro Nomura, CEO do Grupo Nomura, e o moderador Sidnei Amendoeira, diretor institucional da Associação e sócio do MMA – Melchior Micheletti Amendoeira Advogados falaram sobre o tema que é um outro sinal de amadurecimento do franchising brasileiro.

A clusterização, normalmente feita para agrupar tipos ou ramos de negócios, também pode ser aplicada aos franqueados, diz Amendoeira. Segundo o advogado, é uma forma de reconhecer que há diferenças entre esses diferentes grupos que, se observadas pela empresa franqueadora, podem ser eliminadas. O especialista defende que é preciso “tratar desigualmente os desiguais na medida da sua desigualdade. Isso será saudável para franqueados e franqueadores”, afirma.

O Grupo Nomura é formado por mais de 20 unidades das marcas Adidas, Arezzo, Schutz e Saltô em Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro. Segundo Nomura, é possível clusterizar os franqueados por tamanho e volume das operações, região geográfica, perfil do franqueado e pelo desempenho dos melhores, o que chama de “tropa de elite”.

Expansão
Gustavo Schifino (à frente) e Sandro Alves: como sobreviver à disrupção no franchising

Disruptura no franchising
Como sobreviver ao momento de disruptura no franchising? Essa pergunta foi respondida por Gustavo Schifino, coordenador de transformação digital da ABF e CEO do PIER X, no painel de encerramento do Congresso de Expansão de Redes de Franquias moderado por Sandro Alves, membro da Comissão de Franqueados da entidade.

Schifino falou da relevância de se acompanhar as transformações digitais. “O primeiro passo é ter uma cultura de dados”, afirmou.

O executivo ressaltou, ainda, que a revolução digital não prejudica a loja física. Ao contrário, “a loja física está no momento mais relevante da sua história”.

Fotos: Keiny Andrade