Ampliação do Supersimples é vitória para micro e pequenas empresas

Jornal Brasil Econômico – 21/07 – Erica Ribeiro

A aprovação pelo Senado do projeto que universaliza e amplia o Supersimples, regime de tributação para micro e pequenas empresas, deverá resultar em uma redução, na média geral, de 40% no peso dos tributos para os 8,6 milhões de empresas que já aderiram ao regime, afirma o presidente do Sebrae, Luiz Barreto. Segundo ele, ainda é necessário fazer ajustes para que as tabelas de tributação possam beneficiar ainda mais estas empresas.

Barreto aponta ainda que outros ganhos, como a redução da burocracia com o pagamento de oito tributos em um só boleto devem ser comemorados, e também destaca como importante na nova lei a entrada de mais 450 mil empresas de 140 categorias do setor de serviços, incluídas agora na tabela 6 de tributação, criada para este segmento.

“Agora, as empresas do setor de serviços e todas aquelas que faturam até R$ 3,6 milhões estão no Supersimples. O passo seguinte é garantir que , ao passarem desse patamar de faturamento, possam continuar crescendo em regimes tributários que não as afetem”, diz Barretto.

Para Juliana Lohmann, analista de Políticas Públicas do Sebrae-RJ, a queda da carga tributária de empresas do setor de serviços, que antes estavam sob o regime de lucro presumido, pode vir a ser de até 64%, dependendo do percentual tributário aplicado.

No entanto, o sócio da consultoria e auditoria PKFNK, Rogério Kita, lembra que é preciso avaliar se a nova tabela para o setor de serviços é vantajosa para todas as empresas. “Cada caso é um caso e é preciso calcular se a entrada no regime do Supersimples, por melhor que seja, garante redução de tributos suficiente ante o regime de lucro presumido”, alerta.