ABF divulga balanço de 2014

 

Cristina Franco, presidente da ABF: “O franchising é uma indústria promissora, nos momentos bons e difíceis”

 
Entidade detalhou dados do crescimento do mercado de franquias brasileiro. Entre os avanços, o franchising cresceu 7,7%, com faturamento de R$ 127 bi, gerou 6,5% mais empregos diretos e registrou 239 novas marcas
 
A ABF divulgou em coletiva de imprensa realizada nesta quinta-feira, 26/2, o balanço final do desempenho do franchising em 2014. Na abertura, a presidente da entidade Cristina Franco falou do cenário atual e de perspectivas para este ano. “O franchising é uma indústria promissora, nos momentos bons e difíceis. Temos um cenário complexo que nos pede cautela. O governo fará uma série de ajustes que impactam o varejo e, portanto, o franchising nacional, mas somos capazes de produzir resultados mesmo diante dessa situação”, afirmou.

 

Ricardo Camargo, diretor executivo da ABF, afirmou durante a coletiva que o clima é de apreensão, mas há fatores positivos que destacam o Brasil
 
A seguir, Ricardo Camargo, diretor executivo da ABF, apresentou os dados detalhadamente. De acordo com o estudo feito pela entidade, o franchising cresceu 7,7% em faturamento no ano passado, atingindo uma receita da ordem de R$ 127,331 bilhões. O setor aumentou em 6,5% o número de postos de trabalho gerados, passando de 1.029.681 para 1.096.859. Em número de unidades, o crescimento foi de 9,8%, totalizando 125.641, o que representa a abertura de 11.232 pontos de venda.

Entre os segmentos que mais cresceram destacam-se, primeiro, Comunicação, Informática e Eletrônicos, com faturamento 27% maior do que em 2013. Em segundo lugar está Acessórios Pessoais e Calçados, que cresceu 19% no ano passado. Na sequência, Casa e Construção foi o terceiro segmento que apresentou maior variação de faturamento: 17% a mais de 2013 para 2014.

O ano passado também registrou o ingresso de 239 novas marcas no mercado de franquias brasileiro, com avanço de 8,8% em 2014 comparado ao ano anterior. De acordo com o estudo, o número de redes saltou de 2.703 para 2.942 no período.

Ao comentar o cenário socioeconômico de 2014, Ricardo lembrou que havia uma expectativa negativa em relação à Copa do Mundo, no entanto, o evento trouxe alguns resultados positivos para o Brasil, e exemplificou: “A inauguração de aeroportos, que melhoraram a infraestrutura. (O evento) atrapalhou o calendário, mas trouxe benefícios paralelos”, disse.

Ainda segundo o executivo, o clima é de apreensão, mas há fatores positivos que destacam o Brasil. “Apesar de diminuirmos em 3% o investimento externo no País (em 2014), passamos Rússia e Canadá, somos o quinto maior destino de investimentos, ante 2013”, concluiu.

Clique aqui e acesse a apresentação dos dados da ABF na íntegra.