Vamos democratizar o setor de franquias no Rio, diz presidente da ABF-Rio

O Dia Online – 20/03 – Redação 
 
Os grandes eventos que irão acontecer no Rio de Janeiro, como Copa e Olimpíada, irão movimentar o setor de franquias, como espera o presidente da Associação Brasileira de Franchising do Rio (ABF-Rio), Beto Filho, em entrevista ao Blog. A instituição vai reinaugurar na próxima terça-feira sua sede, no Centro da cidade, com uma novidade tecnológica, que transmitirá ao vivo os eventos para outras localidades da cidade. A nova fase da ABF-Rio faz parte de projeto de democratização do franchising no Rio, já que segundo ele há uma concentração no Centro e Zona Sul. “Temos um grande trabalho para mostrar que o nosso estado tem amplas oportunidades”, disse. Confira:
 
O que se espera com a reinauguração da sede do Rio?
Estaremos apresentando uma sede mais atual, com toda uma estrutura que possa atender a todos os nossos associados e parceiros com mais qualidade e dinamismo. Esta renovação é para acompanhar a evolução e a pujança do Franchising. Com isso, nosso associado espera encontrar uma estrutura mais capaz de atender as suas necessidades sobre o Sistema.

Que serviços os interessados irão encontrar na ABF-Rio?
A ABF-RIO entende que um dos pontos mais importantes para o desenvolvimento do setor de franquias é a contínua capacitação dos envolvidos profissionalmente no setor. Assim, priorizamos a atualização permanente de seus cursos e eventos a fim de promover a disseminação do conhecimento e um aprofundamento sobre as diversas áreas que envolvem o franchising.
 
Os nossos associados e parceiros poderão encontrar uma novidade tecnológica, que transmitirá ao vivo os eventos, cursos e palestras para a unidade Barra da Tijuca. Com isso, todas as atividades da ABF-Rio poderão ser acompanhadas simultaneamente nos dois auditórios, independente de onde o evento está acontecendo de fato.

Toda essa nova estrutura faz parte de um grande projeto dessa gestão da ABF-Rio de democratização do franchising, onde acreditamos ser um processo fundamental para o desenvolvimento pleno do potencial de geração de oportunidades desse modelo no Brasil. Nesse projeto inclui também o lançamento do nosso primeiro E-book “Franchising: Aprenda com os especialistas” e a distribuição dos exemplares do livro nas universidades e bibliotecas de todo o País.

Como está o mercado de franquias no Rio?
O Rio de Janeiro é uma das praças mais interessantes para investimento no franchising atual. Isso porque há diversas oportunidades de negócios com os próximos eventos, como a Copa, Olimpíadas e as grandes obras que estão modificando toda a estrutura da cidade – tais como o Porto Maravilha, Polo Petroquímico de Itaboraí, diversos novos shoppings e offices, entre outros. O Rio de Janeiro possui 320 redes de franquias com 13.157 unidades. O Estado participa com 13,1% do faturamento do País somando um total de R$ 15.188 bilhões.
 
No Rio, onde há a maior concentração de franquias?
Temos um grande trabalho para mostrar que o nosso estado tem amplas oportunidades em todos os 92 municípios. Mas, ainda as franquias estão concentradas no Centro e Zona Sul do Rio e há alguns movimentos migratórios de redes para a Barra da Tijuca.

Este é um dos motivos de investirmos em tecnologia de transmissão dos nossos cursos e eventos. Pois é uma alternativa a falta de mobilidade da cidade. O transito do Rio tornou-se um empecilho para as pessoas que desejam participar de nossas atividades. Com estrutura nas duas principais extremidades da cidade, pretendemos levar o conteúdo até o nosso público alvo. Esperamos um aumento de 60% na participação do público nos eventos.
 
Ainda no Rio, quais franquias estão em alta para os micro e pequenos empresários?
As franquias de alimentação, negócios e serviços são as que estão em alta em nosso ranking.
 
Qual a expectativa para este ano em relação ao crescimento de unidades franqueadas?
Em todo o País, teremos um crescimento acentuado. A entidade estima aumentar em 9% o número de unidades e que o faturamento do setor cresça 10%, repetindo mais uma vez o crescimento de dois dígitos, muito acima da Economia nacional. A projeção está baseada em fatores como expectativa de crescimento da economia, nível de emprego e renda, aberturas de novos shoppings, entre outros.

Já no Rio, o número de unidades franqueadas diminuiu entre 2012 e 2013 (-0,4% – de 11,5% para 11,1%). A que deve esse fenômeno?
Este número apresentado na pergunta está invertido, não houve uma diminuição. Houve sim um crescimento de 0,4%. A nossa participação no País passou de 11,1% em 2012 para 11,5% em 2013.

Alimentação é o segmento que só perde para serviços e outros varejos em relação ao faturamento. Porém, alimentação cresceu 16,6% e serviços caiu -4,6% entre 2012 e 2013. Qual o motivo dessa trajetória, uma de queda e outra de alta?
Em relação ao segmento de Alimentação, essa trajetória se dá principalmente pelas mudanças dos hábitos da população. A estabilidade econômica nacional proporcionou um aumento considerável do food service, ou seja, no mercado da alimentação fora do lar. Em 2013, do gasto com alimentação das famílias, mais de 30% foram feitos fora do lar. Como consequência, o food service cresceu 9,8%, de acordo com o Anuário Brasileiro da Alimentação Fora do Lar.

O setor de Negócios, Serviços e Outros Varejos reúne várias operações que não se encaixam em nenhum dos segmentos listados pela pesquisa. Um deles é o de supermercado, representado pelo Dia%, e outro é o de lojas de conveniência, representado pela AMPM. Por ai, você pode ter uma ideia do faturamento das empresas que atuam nesse segmento. Houve sim uma queda, pois nesse segmento estavam contempladas também empresas de fotografia, gráfica e sinalização, que em 2013 foi extinto. A queda no crescimento do segmento de Negócios, Serviços e Outros Varejos está mais relacionada a forma como as empresas estão classificadas do que a performance de cada rede. Infelizmente, essa é uma situação atípica.