Representantes da ABF realizam missão a Cuba

Feira teve recorde de expositores, com 45 empresas brasileiras. Ricardo Camargo, diretor executivo da ABF (de costas), fala com o ministro Rodrigo Malmierca (de azul) e o presidente da Apex, Maurício Borges (ao lado, à esq., última foto)

Cumprindo uma intensa agenda anual de missões internacionais, a ABF participou da Feira Internacional de Havana (FIHAV), realizada de 2 a 9 de novembro, representada por Ricardo Camargo, diretor executivo, e Vanessa Fiabane, coordenadora internacional da entidade. A edição do evento este ano teve um número recorde de empresas expositoras. Somente do Brasil foram 45 exportadoras de setores de moda, casa e construção; alimentos e bebidas; higiene e cosméticos; máquinas e equipamentos; cutelaria; transporte e tecnologia da informação.

Multissetorial, a feira cubana reuniu franquias de diversos países, dentre eles Coreia do Sul, Alemanha e Brasil. O pavilhão do país, organizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) desde 2003, foi um dos maiores da feira. Dentre os principais ramos de negócios brasileiros em exposição, destacaram-se alimentação, calçados, ferragens e hidráulica.

“Cuba começa a dar os primeiros passos na tentativa de liberalização da economia para atrair investimentos. Há possibilidade de exportação, mas para franquias da indústria ou alimentação. Com a abertura de mercado, esperamos que haja um crescimento do varejo para negócios”, avalia o diretor executivo da ABF. Segundo Ricardo, Havana é uma cidade que passa por renovação e restauração para fomentar o turismo, setor essencial para a economia do país caribenho. Somente em 2013, Cuba recebeu 3 milhões de turistas.

A ABF esteve presente na feira no dia 6, quando foi realizado o Dia do Brasil – um evento de relacionamento entre empresas e autoridades brasileiras e cubanas. Na ocasião, Ricardo Camargo reuniu-se com o ministro cubano de comércio exterior e investimento estrangeiro, Rodrigo Malmierca, Maurício Borges, presidente da Apex-Brasil e Rafael Prado, gerente de projetos da entidade.

Segundo Borges, o Brasil é um dos principais fornecedores de produtos para Cuba, que, por sua vez, é o segundo destino das exportações brasileiras na região da América Central e Caribe.

Durante a FIHAV 2014, foram realizadas palestras para os expositores brasileiros sobre temas como a atualidade da economia cubana e o marco regulatório das diferentes modalidades de negócios no país.

Vista externa do Pavilhão Brasil (alto à dir.), do escritório da Apex, dos principais centros comerciais de Havana (com área interna) e panorâmica da capital, que está se renovando

Já no dia 7, a missão brasileira esteve em reunião no escritório da Apex em Havana, que oferece serviços de apoio às exportações e à internacionalização de empresas brasileiras. Entre eles estão a elaboração e estudos de mercado, ações para gerar novas oportunidades de negócios e para identificar alianças estratégicas, além do suporte para a instalação de empresas brasileiras em Cuba.

Em seguida, Ricardo e Vanessa foram recebidos na embaixada brasileira em Cuba pelo conselheiro Marcelo Câmara. A representante do Secom (Setor de Promoção Comercial) Talita Lima enviou um relatório detalhado sobre como fazer negócios no país caribenho e quais os serviços disponibilizados para todos os associados.

Os representantes da ABF conheceram ainda o varejo em Cuba, alguns shoppings e centros comerciais indicados pela embaixada como mais desenvolvidos na capital Havana: La Puntilla, Plaza Carlos III e Galerias Paseo.
 
(Com informações do site da Apex-Brasil)