Os prós e contras das franquias de um produto só

Jornal Brasil Econômico – Erica Ribeiro – 07/02

O franchising no Brasil continua em trajetória de crescimento e, na carona de um segmento que cada vez mais amplia seus domínios, aumentam as opções de franquias que vendem um só produto. O segredo, dizem especialistas e franqueados, está na facilidade de administrar o estoque de um único item. Em contrapartida, a necessidade de ter um custo mais baixo para estimular a compra por impulso leva à necessidade de vender mais. O ramo de alimentos é o que mais se adapta a esse universo, com alguns exemplos de marcas que se especializam em um de terminado serviço ou produto.

“Para quem deseja investir em uma franquia com um só produto, o primeiro passo é pesquisar o investimento inicial, que precisa ser mais baixo do que o das franquias habituais. Esse montante precisa ser proporcional ao retorno esperado pelo franqueado. Lembrando que será preciso trabalhar mais a marca para aumentar as vendas de um item que não pode ser caro para o consumidor final”, orienta Ana Cris tina Von Jess, diretora jurídica da Associação Brasileira de Franchising no Rio de Janeiro (ABF-Rio). A Nutty Bavarian, com 95 quiosques em shoppings, aeroportos e rodoviárias de 16 estados, é um destes exemplos. A diretora da marca, Adriana Auriemo explica que é preciso limitar o tipo de produtos, no caso, nuts glaceadas, já que o consumidor chega até um dos quiosques para uma compra por impulso.

“Se o cliente tiver que pensar, escolher, o fator ‘impulso’ é perdido”, diz. A expectativa é fechar 2014 com 130 pontos e o grande desafio é sair dos shoppings, que concentram 95% de toda a operação da rede.

A empresa Fábrica de Bolo, há seis anos no mercado, acaba de entrar no franchising e abriu três lojas em janeiro, com previsão de mais três este mês. Ao custo de R$ 89 mil, a vantagem é não precisar estar no ponto mais privilegiado.

“O que também favorável às franquias de um produto só é que podem se instalar em pontos secundários. Mas é preciso criar variações sobre o mesmo tema, no caso dos bolos, sabores diferentes, para garantir aumento na venda”, completa Ana Cristina.

Caso a recepção ao produto não seja das mais calorosas, vale diversificar, diz Ana Cristina. Decisão que dependerá do franqueador. Foi o caso da rede de camisarias Looxx, que passou a vender também acessórios para aumentar a clientela. E da Brou’ne, rede de casas especializadas em brownies, que inseriu cookies, cheesecakes e cupcakes no cardápio.