Franquia é o caminho para a capilaridade

Jornal Brasil Econômico – 01/07 – Redação

As franquias de intercâmbio estão dentro do segmento de Hotelaria e Turismo na conta da Associação Brasileira de Franchising (ABF), com faturamento de R$7 bilhões no ano passado. A maior rede franqueadora, segundo a ABF, é a Central de Intercâmbio (Cl), também uma das mais antigas, com 70 unidades no país. AIE Intercâmbio no Exterior, com sede no Espírito Santo, tem 42 filiais franqueadas. A Experimento tem 33 lojas, a World Study, também 33. Outra rede de franquias, a Travelmate soma 15 unidades.

Claudia Bittencourt, diretora do Grupo Bittencourt, consultoria especializada na formatação de redes de franquias no país, afirma que as empresas de cursos e viagens de intercâmbio buscam este formato para aumentar a capilaridade de suasempresase.com isso, chegar ao consumidor da classe C, que necessita de uma abordagem mais próxima.

“O consumo da classe C em produtos como o intercâmbio, que vem se tornando mais acessível, aliado ao crescimento natural do franchising no país, acaba sendo uma ferramenta que motiva a expansão desse setor. Cada vez mais empresas que antes tinham uma atuação regional vão pensar na franquia como um meio seguro de estar perto de seu público-alvo”, diz ela.

Depois de ajudar na formatação de empresas como a IE Intercâmbio e a Intercultural. O Grupo Bittencourt está cuidando dos projetos da rede Just Intercâmbio, com sede em Sorocaba (SP).

“O começo é sempre no mercado regional para depois estas marcas expandirem sua atuação. Dessa forma, elas ficam conhecidas primeiro nas regiões onde iniciam atividades”, comenta Claudia.