Empreender requer bom gerenciamento

Jornal Publimetro – Redação – 21/10
 
Perfil. Habilidades de gestão e identificação com o empreendimento são pontos importantes para o sucesso do franqueado iniciante
 
Em uma lista de 67 países, o Brasil é o quarto em número de empreendedores. A mesma pesquisa, “Empreendedorismo Brasil 2012”, realizada pelo Sebrae e parceiros, aponta que 43,5% da população sonha em ter seu próprio negócio. No entanto, antes de optar por adquirir uma franquia, o empreendedor deve avaliar o seu perfil e encontrar uma rede com a qual se identifique.
 
“Vejo o franqueado mais como um gestor do que como um empreendedor. Antes de tudo, ele precisa saber gerenciar bem o negócio. Precisa entender que vai ser presidente de uma empresa, e como tal vai precisar pensar e agir como empresário”, explica o presidente da consultoria Práxis Business, Adir Ribeiro, citando exemplos como contabilidade, recursos humanos, gestão de vendas e compras.
 
Segundo a ABF (Associação Brasileira de Franchising), o perfil médio do franqueado bem sucedido é de homens e mulheres, entre 26 e 50 anos, curso superior completo, senso de comunicação desenvolvido e características de liderança. “No geral são pessoas com pouca experiência em gestão, mas com aptidão para tal. Eles encontram na franquia a possibilidade de se envolverem com empresas consolidadas e desenvolverem suas habilidades”, afirma o diretor executivo da ABF, Ricardo Camargo.
“Já tive negócios próprios em diversos setores e fui professora de carreira no serviço público. Minha opção de abdicar de tudo, para me dedicar exclusivamente à minha franquia, se deu com o crescimento diferenciado e exponencial que tive no negócio”, afirma a matemática Thereza Vasconi, franqueada da Rede Kumon desde 2001.
 
Thereza é um exemplo de empreendedora que conseguiu conciliar sua aptidão profissional com o sistema de franquias. “Conheci como mãe, de uma dificuldade que minha filha teve na escola. Então fui convidada para ser auxiliar. Ao conhecer melhor o negócio, me propus a ser franqueada”, relembra ela, que hoje atende quase 400 alunos na unidade da Chácara Klabin, em São Paulo.
 
Para a gerente de recrutamento de franqueados da Rede Kumon, Julia Shiroiwa, essa relação estreita com a atividade é muito comum entre seus franqueados. “No geral são jovens mulheres com o desejo de ter um próprio negócio e interesse em trabalhar no desenvolvimento de crianças”, explica ela, citando que 95% das franquias da rede são comandadas por mulheres, “chamamos a franqueada de orientadora, pois é ela própria quem vai acompanhar e atender os alunos”.
 
Em cada rede de franquias a relação é diferente, no entanto, os especialistas indicam que o sucesso do franqueado depende muito da sua identificação com a empresa. Não é somente um investimento financeiro, já que na maioria dos casos, o empreendedor irá trabalhar no dia a dia da sua empresa.