5º Simpósio de Sustentabilidade ABF-AFRAS abordou novidades sobre o tema no mundo corporativo


A sustentabilidade é um processo e as empresas estão aprendendo diariamente a exercitá-lo. Empresas como Unilever, Grupo Boticário e Coca-Cola já encaram o desafio pensando em objetivos de longo prazo. Esses e outros temas foram bastante explorados durante o evento que teve como foco a “Sustentabilidade para a Inovação: Tendências e Propostas de Valor” e reuniu 86 participantes entre empresários, executivos e consultores, na sede da ABF, em São Paulo.


Claudio Tieghi, presidente da AFRAS, abriu o evento apresentando o conceito de prosperidade. Segundo ele, a prosperidade é uma busca legítima das empresas e compreende além do lucro, uma boa relação com colaboradores, sociedade e meio ambiente.


O futurista Daniel Egger deu início às palestras perturbando – no bom sentido – os presentes. Com vários questionamentos sobre a construção de um mundo melhor, o crescimento da população versus os recursos naturais que dispomos, entre outros temas, Egger alertou que os valores percebidos pelos clientes e seus stakeholders serão outros dos de hoje. A reputação será baseada na contribuição que as empresas deixarão para a sociedade e para o planeta. “A moeda de confiança redefinirá como nós nos relacionamos. As empresas viverão um novo ecossistema, e precisam se preparar já”.


A segunda palestra da manhã foi ministrada por Dalberto Adulis, Gerente de Conteúdo e Metodologias do Instituto Akatu, que apresentou o perfil do consumidor atual e as novas tendências de consumo. “O consumo consciente é um meio de promover o crescimento econômico, que pode ser sustentável. Ninguém vive sem consumir, mas queremos que os consumidores possam, de um lado, escolher melhor e, de outro, forçar  as empresas a minimizarem o impacto de seus processos produtivos. É possível ser  feliz sem desperdiçar recursos naturais”, afirmou.


A executiva do Grupo Boticário Maria de Lourdes Nunes, a Malu, e a franqueada do Yazigi, Lucimara Aparecida Andrini, compartilharam durante um painel sobre a liderança feminina no mundo da sustentabilidade suas experiências e resultados obtidos com perseverança e engajamento. 
“A sustentabilidade no Grupo Boticário é estimulada pelos valores da corporação e orientada pela rentabilidade”, explica Malu, ressaltando que todas as decisões envolvem todo o time de líderes da empresa. 


“As pessoas são movidas por sonhos”, acredita Lucimara. Para ela, o grande desafio é mudar a consciência das pessoas e engajá-las em projetos positivos. Dentro da rede eu aprendi que Informação + Educação= Sustentabilidade”, finalizou. 


Antes do intervalo para o almoço, a palestra “Sustentabilidade na prática Ações do dia a dia que fazem diferença para qualquer tamanho de empresa”, proferida por Joaquin Jimenez, Gerente de Marketing da Unilever, surpreendeu o público. Joaquin mostrou estudos sobre desperdício de alimentos no mundo e no Brasil e como a Unilever está trabalhando na busca por tecnologias que minimizem essa situação. Segundo ele, a meta da Unilever é dobrar o faturamento da empresa, reduzindo pela metade o impacto ambiental causado por ela própria.  “Onde há menos custo há mais eficiência. A Unilever não sabe olhar para o futuro, sem que a sustentabilidade esteja inserida”, destacou. 


Na parte da tarde, o evento contou a apresentação dos  “Indicadores Ethos para negócios sustentáveis e responsáveis – Nova geração: Flexibilidade no preenchimento e na escolha dos indicadores, indicado para qualquer tamanho e porte de empresa, uma ferramenta de planejamento, monitoramento e compartilhamento das informações com um novo sistema de preenchimento online”. O franchising faz parte de um grupo seleto de setores que conta com um indicador próprio. Ana Lucia Melo Custódio, do Ethos, apresentou as novidades e afirmou a importância da avaliação por parte das franquias.


A última palestra do Simpósio também foi bastante impactante. Flavia Neves, Gerente de Sustentabilidade da Coca Cola apresentou os planos e estratégias da empresa com muita franqueza.

“Sustentabilidade é uma jornada, o importante é começar”, afirmou, explicando que nem sempre é possível começar grande, o que era uma exigência na Coca-Cola. Aos poucos, segundo ela, a empresa começou a “por a mão na massa” e os resultados começaram a aparecer”, explicou.

Flavia exemplificou que nem sempre o caminho sustentável proporciona o lucro imediato. Depois de muito planejamento, a Coca-Cola entendeu que precisava mudar o conceito de retorno obtido com as iniciativas mais sustentáveis e apostar numa expectativa de longo prazo.


Equipe AFRAS. Da esquerda para direita: Nilton Clécio, Fernada Esposito, Claudio Tieghi e Ana Vecchi