Sua empresa pode poupar a natureza para tirar o planeta do vermelho – Artigo Claudio Tieghi

Reduzir o consumo de recursos naturais é uma atitude que exige inovação e senso de urgência dos empreendedores.

A eterna busca por crescimento econômico transformou a humanidade em um agente de extinção devido à contínua desvalorização do ecossistema. Neste ano, em apenas oito meses, a população mundial consumiu mais recursos do que o ideal para um ano inteiro, segundo a ONG Global Footprint Network. E o Brasil aparece junto com a China como um dos grandes “devedores” de meses para o planeta.

O que isso quer dizer? Que atitudes devemos tomar para que o planeta não feche suas portas antes do esperado? A humanidade precisa cumprir seus desafios. Hoje, superamos em um terço a capacidade de regeneração dos recursos naturais da Terra. Somos sete bilhões de habitantes e, em 2050, chegaremos à marca de nove bilhões.

Se todas as nações consumissem na mesma escala dos americanos ou dos europeus, precisaríamos de três a cinco planetas para nos abastecer. Diante desse cenário, em princípio todos os bens de consumo deveriam ser produzidos a partir de agora com um quinto de matéria-prima. Essa é uma atitude que exige inovação e senso de urgência.

Estamos em estado de atenção, pois os modelos econômicos existentes não têm dado conta de distribuir riquezas – ao contrário, promovem a desigualdade social e afetam o meio ambiente, muitas vezes de forma irreversível. Ao pequeno e médio empresário cabe a consciência de que é possível exigir de grandes fornecedores os compromissos necessários para termos uma economia verde, includente e responsável.

Em relação aos consumidores, é preciso estabelecer um processo de educação e colaboração para o consumo responsável. Estamos todos no mesmo barco, e só chegaremos a um destino mais seguro se todos colaborarem.

Para não fecharmos 2013 no vermelho, precisaríamos pedir “emprestado” a um planeta e meio os recursos naturais usados para suprir as nossas demandas. E mais: se o consumo continuar nesse ritmo frenético, será preciso ter duas Terras, até 2050, para sustentar a humanidade.

A forma como a Global Footprint Network contabiliza o consumo de recursos não deve apenas nos alertar para os limites com os quais nos deparamos em nosso cotidiano. Essas informações devem nos motivar a inserir nos modelos de gestão das empresas os indicadores necessários para que os negócios possam se expandir de forma próspera e duradoura, contribuindo para o desenvolvimento social e o crescimento da economia verde.

Conhecemos bem a lógica dos juros decorrentes da tomada de empréstimos, portanto precisamos arregaçar as mangas para fechar nosso balanço sempre no “azul” ou no “verde”. Estar em dia com o planeta deveria ser a grande meta dos negócios e de toda a nossa civilização.

 Claudio Tieghi – Presidente da AFRAS – Associação Franquia Sustentável.